até
1996 | Conjuntura Brasileira

Massacre de Sem-terra em Eldorado de Carajás
CONTEXTO
Ao longo do ano, multiplicam-se os conflitos no campo. São registrados vários embates entre o MST, que continua promovendo ocupações de terras improdutivas como forma de pressionar pela aceleração da reforma agrária, e os latifundiários, que muitas vezes contam com a ajuda das autoridades municipais e estaduais. A polícia quase sempre é chamada a intervir a favor dos fazendeiros.

Líderes sem-terra são presos, prédios do Incra são invadidos em Recife e Salvador, manifestações de apoio aos sem-terra crescem também nas cidades e as próprias pesquisas de opinião mostram que a maioria da população apóia a causa do MST. Mas os conflitos crescem em violência.

Em março, 3 mil famílias de sem-terra ocupam a Fazenda Macaxeira, de 44 mil ha, em Curionópolis (PA). Em junho, 600 famílias ocupam uma fazenda em Buriticupu (MA) e três empregados da empresa dona da propriedade são mortos: dois sem-terra são indiciados. Ao todo, morrem 47 pessoas ao longo do ano em confrontos no campo.

O pior conflito ocorre em abril, em Eldorado dos Carajás (PA). Os sem-terra ocupam a Rodovia PA-150. Os policiais da Polícia Militar do Pará, enviados para desocupar a estrada, atiram contra os manifestantes e matam 19 deles. Laudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro diz que 10 sem-terra foram executados depois de já terem sido dominados pelos policiais, que são todos (total de 155) indiciados. O comandante da operação é preso por 30 dias. Mas três sem-terra também acabam indiciados. O próprio governador do Pará, Almir Gabriel (PSDB), é apontado pela Procuradoria-Geral da República como o principal responsável pelas mortes.

A repercussão do fato é muito grande e obriga o governo a reagir. FHC, tentando responder ao episódio, cria o Ministério Extraordinário da Reforma Agrária e o entrega a Raul Jugmann, do PPS. E, em dezembro, o Congresso aprova medidas para agilizar a desapropriação de terras. Mas o MST continua aumentando seu poder de mobilização: em abril de 1997 promoverá a maior manifestação de sua história, com 30 mil pessoas participando de uma marcha nacional em direção a Brasília.

Com relação aos processos pelo massacre de Eldorado dos Carajás, somente em 1999, depois de várias batalhas judiciais, ocorrerá o julgamento dos policiais. Para espanto geral, eles serão absolvidos.
Imprimir contexto
REPERCUSSÃO NA MÍDIA
Clique nas imagens para ampliar
IMAGENS
Clique nas imagens para ampliar
IMPRENSA SINDICAL
DEPOIMENTOS
Clique nas fotos para ler os depoimentos:

Jorge Néri
CAMPANHA SALARIAL
Veja o que aconteceu na Campanha Salarial em 1996
CONGRESSOS
Congressos realizados no ano de 1996
ELEIÇÕES
Reveja os detalhes da eleição de 1996
MANDATOS
Conheça diretores e cargos entre 1993 e 1996.
© Copyright 2009, ABC de Luta! Memória dos Metalúrgicos do ABC - Todos os direitos reservados

Mapa do Site Fale Conosco Créditos Política de Privacidade

smabc.org.br