até
1984 | Campanhas Salariais

CONTEXTO

Em 1984 o Sindicato estava sob intervenção e, por isso, a campanha salarial foi dirigida pela diretoria cassada. O interventor do Ministério do Trabalho, através de procuração, delegou à Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo poderes para negociar em nome do Sindicato.

No entanto, a Fiesp necessitava de um interlocutor que tivesse representatividade, razão pela qual teve que aceitar a diretoria cassada como representante dos trabalhadores.

As assembléias eram convocadas em frente à sede do Sindicato, uma vez que o interventor não permitia assembléias no seu interior. No entanto, a maioria foi promovida dentro do Sindicato, devido ao grande número de trabalhadores presentes e também para comprovar que a luta era vinculada à reconquista do Sindicato.

A principal reivindicação da campanha de 1984 era o reajuste salarial de 83,3%. Esse índice correspondia à elevação do custo de vida, no último ano, calculado pelo Dieese, motivo pelo qual era considerado pelos trabalhadores como o mínimo que poderiam aceitar para recuperar o poder aquisitivo que tinham em abril de 83. Além desse índice, os metalúrgicos reivindicam estabilidade no emprego, redução da jornada de trabalho sem redução do salário, escala móvel de salários e salário profissional.

O Ministério do Trabalho convoca eleições para suspender a intervenção no Sindicato. A diretoria cassada é convocada uma reunião para o dia 25 de março, para escolher os representantes de fábrica que deveriam compor a nova chapa. Empossada a diretoria eleita, tendo Jair Meneguelli na presidência do Sindicato, a rotina de mobilização prossegue, agora contando com os recursos materiais do Sindicato, mais uma vez livre da intervenção do Ministério do Trabalho.

Nos dias 24, 25 e 26 de agosto é realizado em São Bernardo o I Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), com a participação de 5.260 delegados eleitos em assembléias, de todos os Estados do país, representando 937 entidades sindicais. Foram lançados os princípios de uma nova proposta sindical e as reivindicações básicas que deveriam nortear a Campanha Nacional de Luta.

As principais reivindicações eram: 40 horas semanais, sem redução de salários; reajuste trimestral de salários; estabilidade no emprego; salário-desemprego; e reforma agrária sob controle dos trabalhadores.

Imprimir contexto
PAUTA DE REIVINDICAÇÃO

CONVENÇÃO E ACORDO

DIVULGAÇÃO
Clique nas imagens para ampliar
REPERCUSSÃO NA MÍDIA
Clique nas imagens para ampliar
IMAGENS
Clique nas imagens para ampliar
IMPRENSA SINDICAL
DEPOIMENTOS
Clique nas fotos para ler os depoimentos:

José Lopez Feijóo

Vicente Paulo da Silva

Osvaldo Martines Bargas

Tarcísio Secoli

Luiz Marinho

Elizeu Marques da Silva

Januário Fernandes da Silva
ELEIÇÕES
Reveja os detalhes da eleição de 1984
MANDATOS
Conheça diretores e cargos entre 1981 e 1984.
© Copyright 2009, ABC de Luta! Memória dos Metalúrgicos do ABC - Todos os direitos reservados

Mapa do Site Fale Conosco Créditos Política de Privacidade

smabc.org.br