até
1999 | Metalúrgicos do ABC

III Congresso dos Metalúrgicos do ABC
CONTEXTO

O III Congresso foi aberto em 3 de setembro por uma assembléia que escolheu a estrutura e a organização como temas básicos. A partir daí, iniciou-se um processo de discussão envolvendo as fábricas para elaborar um documento guia.

O congresso se realiza num período em que a política neoliberal implementada pelo Governo FHC tem mantido o processo recessivo e estimulado o desemprego.

A região do ABC, assim como outras áreas industrializadas, tem sido uma das vítimas de todo este contexto, com uma taxa de desemprego local de 22%. O setor metalúrgico vem passando por fortes mudanças desde o início da década de 80, impulsionadas sobretudo pela reestruturação produtiva. A automação, o trabalho polivalente, células de produção: enfim, o conjunto de transformações impõe imensos desafios para o Sindicato e organizações no local de trabalho. Em particular, a negociação da modernização produtiva com a preservação de postos de trabalho.

O enfrentamento desses desafios, passa pelo fortalecimento do Sindicato nos locais de trabalho, como uma das formas essenciais de construir a resistência às agressões ao emprego e às conquistas e aos direitos dos trabalhadores. Por isso, um dos principais eixos dos debates foi a ampliação e consolidação dos 68 Comitês Sindicais por Empresa e um Comitê Sindical de Aposentados, reentemente eleitos.

A reflexão sobre essa conjuntura fez parte dos debates realizados pelos trabalhadores durante dois meses, até a instalação do Congresso no dia 5 de novembro, na sede do Sindicato. Após dois dias de debates, os delegados aprovaram resoluções, visando preparar o Sindicato para os desafios do novo milênio.
As deliberações mais importantes foram: consolidar a organização no local de trabalho através dos Comitês Sindicais de Empresa. As discussões giraram em torno da necessidade de, por um lado, aumentar o número de comitês existentes, por outro, aprofundar e qualificar a sua atuação. Outra deliberação propõe incentivar as cooperativas como forma de produção solidária e pensar em formas alternativas de complementação da renda através dos fundos de pensão. Essas cooperativas já são uma realidade no ABC, e a decisão do Congresso de criar a Unisol – União de Solidariedade entre Cooperativas – tende a melhorar a intervenção do Sindicato nesse processo. Por último, mesmo sem deixar de lado a luta por uma aposentadoria pública, o congresso iniciou uma discussão inédita para o sindicalismo – a criação de um fundo de pensão.

Os delegados decidiram, também, ampliar o sistema de comunicação do Sindicato, ampliar a Tribuna Metalúrgica, implantar uma rádio comunitária e um programa de TV para que o Sindicato fale com a comunidade.

Encerrado no dia 7 de novembro, o III Congresso representou mais um passo na luta pela organização da categoria no chão da fábrica, na luta em defesa dos seus direitos e de um sindicalismo comprometido com o futuro do país.

(mais detalhes na área de Congressos no menu de opções)

Imprimir contexto
REPERCUSSÃO NA MÍDIA
Clique nas imagens para ampliar
IMAGENS
Clique nas imagens para ampliar
IMPRENSA SINDICAL
DEPOIMENTOS
Clique nas fotos para ler os depoimentos:

Rafael Marques da Silva Junior

Joel Fonseca Costa

Tarcísio Secoli
CAMPANHA SALARIAL
Veja o que aconteceu na Campanha Salarial em 1999
CONGRESSOS
Congressos realizados no ano de 1999
ELEIÇÕES
Reveja os detalhes da eleição de 1999
MANDATOS
Conheça diretores e cargos entre 1996 e 1999.
© Copyright 2009, ABC de Luta! Memória dos Metalúrgicos do ABC - Todos os direitos reservados

Mapa do Site Fale Conosco Créditos Política de Privacidade

smabc.org.br