ABCD Jornal nº 64 17/05/80
Pág.1 – Depois de 41 dias de greve, a luta continua dentro das fábricas. A proposta dos metalúrgicos e a resposta dos patrões são motivos para continuar a organização da categoria. Proposta: - INPC ( 39,9%) + 15% produtividade; reajustes por função e piso mínimo de 12 mil cruzeiros; aprovação do delegado sindical; redução da jornada de 48 horas para 40 horas semanais; 100% de aumento sobre todas as horas extras; Quadro de aviso do sindicato dentro das fábricas; livre acesso dos dirigentes sindicais às fábricas; controle das chefias pelos operários. Resposta da patronal: - INPC (39,9%) + 5 % produtividade; piso único de 5.904 ou 24,60 cruzeiros por hora e não ao piso por função; não ao delegado sindical; não às 40 horas semanais.
Tribuna Metalúrgica nº 56 01/02/1980
Pág. 1 - Convocação para assembléias nos dias 29/2 e 1º/3 para discutir as reivindicações da campanha salarial Pág. 4 e 5 - As principais reivindicações da campanha salarial são: piso salarial compatível com as necessidades do trabalhador; garantia de emprego; reajuste trimestral de acordo com o índice de custo de vida do Dieese; jornada de 40 horas semanais sem redução de salário; livre acesso da diretoria do sindicato às fábricas; 15% acima do INPC.
ABCD Jornal nº 55 01/03/80
Pág.1 – Sindicato convoca para assembléia no estádio de Vila Euclides, no dia 16 de março – (lema: “Tá chegando a hora da onça beber água”). Pág. 3 – Informa o encaminhamento das reuniões por bairros e a diretoria e Comissão de mobilização convocam os trabalhadores para a assembléia no dia 16 de março.
ABCD Jornal nº 56 18/03/80
Pág.1 – Assembléia de 16 de março decide greve a partir de 1º caso não sejam atendidas reivindicações Pág. 3 – Cerca de 60 mil trabalhadores em assembléia decidem pela greve a partir do dia 1º se não houver acordo.
ABCD Jornal nº 58 01/04/80
Pág.1 – Patronal rejeita reivindicações e encerra discussão; metalúrgicos decidem greve. Pág.2 – Mais de 100 mil metalúrgicos decidem pela greve contra a intransigência patronal. Pág. 3 – Recomendações aos metalúrgicos para o encaminhamento do movimento. Pág.4 – Discurso de Lula na assembléia que deflagrou a greve. Pág.5 – Trabalhadores de Santo André também decretam greve e os de São Caetano organizam o movimento. Pág. 6 – Governo se coloca contra os trabalhadores e favorável à patronal. Pág.7 – Manifestações de solidariedade aos metalúrgicos de diversos setores da sociedade. Pág. 8 – Reivindicações dos metalúrgicos e a contra proposta dos patrões.
Tribuna Metalúrgica nº 57 01/04/1980
Pág. 1 - Orientações de como se deve participar da greve. Página 5 - Balanço positivo do 1º dia de greve, que não necessitou de piquetes e parou mais de 70% da categoria. Pág. 8 - TRT recusou-se a declarar a greve ilegal, patrões remetem pedido da ilegalidade ao TST.
ABCD Jornal nº 62 30/04/80
Pág.1 e Pág. 2 – As comemorações do dia 1º de Maio podem dar mais força à greve.